20.9.17

Naufrágio a sul

A cabeça tombada na linha de rebentação, dois seixos reluzindo nos olhos, um búzio incrustado no nariz, a boca aberta em concha, a língua um molusco dormente, o corpo ao abandono como o casco de um barquinho naufragado, o mastro já partido de tão velho, o leme sem memória do seu norte.