21.9.17

Círculo

Acredito que talvez um Homem morra com sofrimento proporcional àquele com que nasceu. Amostra significativa não tenho, mas ouço histórias e nelas vejo fechar-se o círculo, em acerto e coincidência. Não devem os leitores levar-me a sério por isto que digo. É de quem não tem mais em que pensar e, por mero entretenimento, se põe a enredar absurdos e a presumir as lógicas fundamentais do universo a partir de coisas miúdas. 
A mim, convém-me fazer fé nesta delirante teoria. Nasci sem gritos nem demora. Entrei no mundo com a delicadeza de um suspiro, ninguém sofreu e a parteira mal deu conta de que eu estava a chegar.