29.3.17

*

Ao amor, quase tudo é consentido: o nó cego, o engano, a violência, a usura. Diz-se só fiz isto porque te amo e é como atirar a culpa à criança mais doce e inocente por saber que ninguém tem a frieza de a  castigar.